Carnavais Tradicionais Portugueses

5 dias

Este programa de Carnavais Tradicionais Portugueses visa divulgar festividades tradicionais, de grande riqueza etno-cultural, desconhecidas da maioria dos visitantes. A HappyPortugal através da TravelTailors propõe o melhor roteiro e sugere actividades complementares, como passeios de burro e provas de vinhos.

Percurso do Passeio

  • DIA 1: (SÁBADO): PORTO - BRAGANÇA

    Chegada ao Porto.

     

    O Porto é uma cidade encantadora, situada nas encostas do rio Douro e já próximo da sua foz. Classificada como Património Mundial pela UNESCO graças aos seus belos monumentos e edifícios históricos, como a imponente Sé ou a Torre dos Clérigos, o Porto é a segunda maior cidade de Portugal e possui vistas soberbas sobre o rio e as mundialmente célebres Caves do Vinho do Porto, na margem oposta, em Vila Nova de Gaia.

    A cidade oferece uma síntese harmoniosa de atracções antigas e contemporâneas. Empoleirados no cimo de colinas e agarrados a falésias, os atraentes edifícios, pontes e candeeiros do Porto guardam o Rio Douro há séculos. Ferozmente orgulhosos do seu património, os cidadãos desta cidade mercantil investiram o seu sangue e o seu suor no comércio e no vinho. O Porto é uma cidade pronta para trabalhar e apta para o divertimento.

    Discotecas e restaurantes misturam-se com catedrais, igrejas e museus em estreitas vielas e largas avenidas. Há muitos cafés espalhados pela cidade, onde poderá descontrair depois de subir as inúmeras colinas do Porto. Nos telhados há telha vermelha e nas fachadas, muitas vezes, azulejos. A cidade do Porto é muito compacta, o que é óptimo para se fazer explorações a pé, desde que não se importe de fazer um esforço nas subidas.

     

    Até às 18h30: visita e provas nas Caves do Vinho do Porto.

     

    O vinho do Porto é um vinho licoroso de fama mundial, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da região demarcada do Douro, a cerca de 100 km a leste do Porto. O vinho tomou o nome do Porto, mas é na margem oposta do Douro, em Gaia, que estão instaladas as quinze caves, templos maiores deste néctar. A visita inclui provas de diferentes variedades.

     

    Viagem para Bragança.

     

    Bragança é a capital da região de Trás-os-Montes, no Nordeste de Portugal. Pouco explorada pelo turismo, esta região remota e montanhosa oferece cenários únicos, vilas históricas, paisagens naturais e uma gastronomia riquíssima. Bragança está situada no extremo do Parque Natural de Montesinho, uma das zonas florestais mais selvagens da Europa, com uma enorme diversidade de fauna e flora.

    A localidade nasceu no século XII e o núcleo urbano medieval mantém-se na cidadela dignamente representada pela imponente Torre de Menagem do Castelo, pelo Pelourinho assente num curioso berrão lusitano, pela Igreja de Santa Maria e pela Domus Municipalis, exemplar único da arquitectura civil. Depois de D. Manuel ter dado Foral Novo em 1514, o desenvolvimento da cidade deveu-se à presença dos bispos que aqui residiam durante metade do ano.

    A acção real e episcopal memorizou esses tempos na Igreja de São Vicente, no Museu do Abade Baçal, na Capela da Misericórdia, na Igreja de Santa Clara e por fim na Sé Catedral. A história da cidade não fica completa sem a visita da secular Igreja de Castro de Avelãs, nas proximidades, ou com um passeio ao Parque Natural de Montesinho, onde ainda se encontram pequenas aldeias de regime comunitário que fazem parte do património regional.

     

    A partir das 20h30: sugestão de jantar em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Bragança.

     

    Situado no centro histórico de Bragança, este restaurante, aberto há quase 30 anos, é um símbolo da gastronomia da região. Não deixe de provar os ossinhos de porco à transmontana, vencedores de dois concursos internacionais!

     

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

     

     

  • DIA 2: (DOMINGO): BRAGANÇA - PODENCE - TRÁS OS MONTES OU DOURO

    Nesta zona poderá maravilhar-se com o espectáculo das amendoeiras em flor, por todo o nordeste transmontano e até ao Douro. Em tons de branco e rosa, estas árvores dão à paisagem um encanto inesquecível.

     

    Sugestão: visita a uma reserva de burros mirandeses e passeio de burro.

     

    O burro de Miranda possui características únicas: pelagem de cor castanha escura com gradações mais claras nos costados e face inferior do tronco; pêlo comprido e grosso; orelhas grandes; cabeça volumosa; estatura elevada, superior a 1,20 m; temperamento dócil. É uma espécie em extinção e as associações locais lutam para preservá-la, promovendo actividade como os passeios, que são muito agradáveis de experimentar.

     

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Macedo de Cavaleiros.

    Instalado num edifício antigo bem recuperado, aqui vamos encontrar um restaurante com uma sala ampla e agradável, decorada em estilo rústico com assinalável bom gosto. As iguarias da cozinha transmontana abundam e são confeccionadas com mão certeira.

     

    Viagem para Podence.

     

    Podence fica junto à Albufeira do Azibo. Este é um lugar de eleição para os observadores de aves, pois podem avistar uma grande diversidade de espécies, que encontra aqui o habitat ideal para uma época ou para o ano inteiro. Percorra os Trilhos do Azibo, uma rede de caminhos pedestres e ciclovias sinalizados, onde não faltam mesas de leitura e interpretação para o ajudar a identificar a fauna e a flora. Aprecie também os vestígios arqueológicos da pré-história à época romana, e admire o colorido do folclore e artesanato, cujo expoente são os Caretos, curiosos disfarces com que os habitantes de Podence festejam o Carnaval.

     

    A partir das 15h00: Carnaval tradicional de Podence (Caretos de Podence).

     

    Não há Entrudo sem tropelias. Em Podence, aldeia do concelho de Macedo de Cavaleiros, nada, ou quase nada, detém os bandos de Caretos que todos os anos saem para as ruas em desenfreadas correrias, perseguindo as moçoilas para as chocalhar. Nos dias grandes da festa, Domingo Gordo e Terça-feira de Carnaval, os Caretos só param para se dessedentar ou para combinarem mais uma investida sobre o Largo da Capela, a pequena praça da aldeia onde a gente do lugar e um punhado de forasteiros curiosos se juntam para assistir ao ritual.

    Os Caretos representam imagens diabólicas e misteriosas, que todos os anos, desde épocas que se perdem no tempo saem à rua nas festividades carnavalescas. Interrompendo os longos silêncios de cada Inverno, como que saindo secretos e imprevisíveis dos recantos de Podence, [b]surgem silvando os Caretos e seus frenéticos chocalhos bem cruzados nas franjas coloridas de grossas mantas.

     

    A partir das 20h30: sugestão de jantar em restaurante de cozinha de autor, em Mirandela.

     

    Esta proposta da TravelTailors fica situada perto do rio Tua e distingue-se pelo ambiente e decoração especialmente atraente. Serve uma cozinha de autor, onde estão em destaque os produtos regionais e tem um original menu de degustação de azeites e de vinho do Porto.

     

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada, na zona de Trás os Montes ou do Douro.

     

  • DIA 3: (SEGUNDA-FEIRA) TRÁS OS MONTES OU DOURO

    OPÇÃO A: VISITA AO PARQUE NATURAL DE MONTESINHO.

     

    Viagem para Vinhais ou Bragança.

    O Montesinho, bem no nordeste, é uma mistura fantástica de riquezas naturais e de culturas antigas. Dominância de xistos e manchas de calcário nos planaltos e de granito constituem a diversidade geológica deste espaço que, conjuntamente com as variantes climáticas, originam uma flora muito variada, habitat ideal para animais como o lobo, o javali, o corço, o veado e cerca de 240 outras espécies. Montesinho, Rio de Onor, Pitões das Júnias e Guadramil são aldeias comunitárias que vivem em paz com a natureza e conservam a memória da vida rural; partilham o bem comum por todos: o forno a lenha, a eira, o moinho, o pasto e o boi de criação.

    Antes dos romanos terem chegado a este território, já era assim. Rio de Onor é a mais bem preservada aldeia do Parque Natural de Montesinho; curiosamente, é partilhada com Espanha. Uma metade chama-se Rihonor de Castilla e a outra metade Rio de Onor, em Portugal. Divide-se a seguir à ponte sobre o rio, por uma árvore internacional e uma placa que indica a fronteira. Os habitantes falam um dialecto muito antigo. É português e é espanhol. Recomendamos ainda uma visita ao Parque Biológico de Vinhais, que inclui o centro de interpretação de raças autóctones (como os adoráveis burrinhos mirandeses, os veados e os javalis, entre outras espécies) e os percursos pedestres ou de BTT.

     

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Gimonde.

     

    Em pleno Parque Natural de Montesinho, restaurante em típica casa transmontana composta por duas salas. É um espaço acolhedor, simpático em ambiente tipicamente transmontano, rústico e acolhedor, com lareira e tecto de madeira. Pratos bem confeccionados e consistentes, à moda do Norte, claro. Conta ainda com taberna e loja. Donde pode trazer mais algum licor, queijo ou presunto.

     

    OPÇÃO B: VISITA ÀS GRAVURAS DE FOZ CÔA.

     

    Viagem para Foz Côa.

     

    A região do Vale do Côa é internacionalmente reconhecida pela importância da sua Arte Rupestre, que em 1998 foi avaliada pela UNESCO como Património da Humanidade. Esta classificação distintiva esteve na origem da criação do Parque Arqueológico do Vale do Côa e do Museu do Côa.

     

    Sugestão: visita ao Museu do Côa e às gravuras de Foz Côa.

     

    A visita preliminar ao Museu ajuda-nos a compreender as gravuras que veremos a seguir. Milénio após milénio, as rochas de xisto que delimitam o leito do Rio Côa foram-se convertendo em painéis de arte, com milhares de gravuras legadas pelo impulso criador dos nossos antepassados. Remontando ao Paleolítico Superior, estes painéis ao ar livre e os habitats identificados são testemunhos do povoamento, de uma vitalidade e de uma mestria de concepção e traços que trouxeram até nós 25.000 anos de tempo.

    Esta longa galeria de arte dá-nos registos do período Neolítico e da Idade do Ferro, transpondo depois de um só fôlego dois mil anos de História para firmar na Época Moderna representações religiosas, nomes e datas até há poucas dezenas de anos. Os três sítios disponíveis para visita localizam-se em pleno vale do rio Côa, acessíveis apenas por caminhos de terra batida (de jipe). As visitas partem de sítios diferentes: do Museu do Côa para a Canada do Inferno, do Centro de Recepção da aldeia de Castelo Melhor para a Penascosa e do Centro de Recepção da aldeia de Muxagata para a Ribeira de Piscos. Informe-se e reserve com muita antecedência!

     

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Foz Côa.

     

    Tudo se esquece facilmente quando nos sentamos à mesa desta casa e começamos a petiscar um pão de centeio e azeitonas, a acompanhar uns peixes do rio fritos ou umas enguias à casa. Se a fome for maior, opte pela caça que é muito bem confeccionada. Tudo regado com um tinto da região, muito bom, em jarro.

     

     

     

     

     

    OPÇÃO C: VISITA À REGIÃO DO DOURO.

     

    Viagem para Vila Real.

     

    Vila Real é uma cidade bonita e aprazível, onde o olhar se perde pelas montanhas que a rodeiam. Quem visita Vila Real não deixará de ficar surpreendido à vista das numerosas pedras de armas que enobrecem as fachadas de muitos edifícios. O brasão da cidade, gravado com uma espada e um bastão, resume a história do seu primeiro conde. O primeiro foral de Vila Real foi concedido por D. Dinis, em 1289.

     

    Sugestão: visita à Casa de Mateus e jardins, em Vila Real.

     

    A Casa de Mateus, construída na primeira metade do século XVII, é um edifício barroco composto por dois corpos laterais ligados entre si por duas alas perpendiculares. Segundo alguns autores, Nicolau Nasoni terá tido alguma intervenção no palácio. O conjunto arquitectónico é completado pela Capela da Casa, pela Nova Adega (actualmente reconvertida para sala de exposições temporárias), pelo Barrão (antigo celeiro) e, principalmente, pelos magníficos jardins de buxo de estilo francês.

    O frondoso jardim que rodeia o solar, para além do seu espelho de água e das zonas de buxo, tem ainda uma área de intensa exploração agrícola e de pomares, cujos produtos (vinhos, compotas e doces) podem ser adquiridos pelos visitantes.

     

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de cozinha de autor, em Folgosa do Douro.

     

    Naquele que é um dos percursos panorâmicos mais belos do país, o restaurante escolhido pela TravelTailors está assente em estacas, que se prolonga ao longo de um elegante deck de madeira sobre o rio. É um local de uma enorme beleza, que mistura a magnificência dos montes de xisto cobertos de vinha com a quietude do rio Douro e a pacatez das aldeias ribeirinhas, só desperta pela passagem regular do comboio. A matriz criativa dos pratos do chef centra-se na utilização de produtos genuínos da tradição culinária portuguesa, com recurso a técnicas e concepções modernas.

     

    Sugestão: passeio de vela ou de barco rabelo no Douro.

     

    A região do Douro tem uma paisagem assombros, em grande parte graças ao incessante e árduo trabalho das gentes. O resultado é uma extensa área de vinha, cuidadosamente trabalhada, que serpenteia ao longo do Rio Douro. De barco, o desfrute é ainda maior.

     

    Sugestão: viagem de comboio ao longo do Douro.

     

    Neste reencontro com o passado, as estrelas dos percursos são carruagens e locomotivas a vapor e a diesel que, numa viagem a 30 km/h, são a memória do tempo em que asseguravam a ligação entre as localidades e ajudavam a fazer o escoamento do famoso Vinho do Porto. Acompanhe o rio pela Linha do Douro, numa grande obra de engenharia que vence os acidentes naturais através de 26 túneis e 30 pontes. O resultado é um percurso inesquecível por cenários de impressionante beleza natural e tranquilidade.

    Esteja atento às estações mais antigas. À Estação da Régua, que foi a mais importante da região, e à do Pinhão. É uma das mais bonitas do país, com fachadas decoradas de azulejos, retratando os trabalhos na vinha e as paisagens.

     

    A partir das 20h30: sugestão de jantar em restaurante de cozinha de autor, em Peso da Régua.

     

    Simultaneamente restaurante, winebar e lounge, localizado no armazém dos caminhos-de-ferro, em plena região do Douro. A cozinha é moderna e criativa, tendo por base os sabores durienses. Poderá degustar vinhos acompanhados de produtos gourmet.

     

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada, na zona do Douro.

     

  • DIA 4: (TERÇA-FEIRA): DOURO-LAZARIM

    Visita a quinta no Douro e prova de vinhos.

     

    É na região-berço de alguns dos mais afamados vinhos do mundo que se localiza esta quinta, uma das mais belas propriedades locais, que traduz o carácter da paisagem e o verdadeiro espírito do vale. Aqui, a memória está na terra, nos aromas e saberes que os homens guardaram através de gerações. Experimente um winetour com várias provas de vinho.

     

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de cozinha de autor, em Peso da Régua.

    Este é um espaço moderno e sofisticado, fronteiro ao rio Douro, que engloba restaurante e winebar, num ambiente requintado. A cozinha combina os sabores tradicionais com as tendências nacionais e internacionais, sem esquecer a forte ligação aos vinhos da mais antiga região demarcada do Mundo. As diversas sugestões podem ser acompanhadas por vinho a copo da Região do Douro.

     

    Viagem para Lazarim.

     

    A partir das 15h00: Carnaval tradicional de Lazarim.

     

    O Carnaval de Lazarim, no concelho de Lamego, é sem dúvida dos mais genuínos carnavais portugueses, mantendo bem vivas tradições ancestrais que perduraram ao longo dos tempos. Máscaras carrancudas de madeira, esculpidas por artesãos da aldeia, são nesta época festiva utilizadas por jovens de ambos os sexos, os caretos e as senhorinhas. A leitura dos Testamentos da Comadre e do Compadre é dos pontos altos dos festejos. A moça inicia a leitura do Testamento do Compadre e de imediato surgem as críticas aos rapazes da vila. Segue-se-lhe o moço, bem trajante e aperaltado, de patilhas em riste e chapéu domingueiro. Logo na primeira quadra se repara que a toada de resposta vai estar ao nível do praticado pela sua colega. O despique provoca gargalhadas sucessivas na multidão que assiste e se diverte com a sagaz crítica social.

     

    Viagem para o Porto.

     

    A partir das 20h30: sugestão de jantar em restaurante de cozinha de autor, no Porto.

     

    Inaugurado em Fevereiro de 2003, o restaurante escolhido pela TravelTailors fica situado na zona antiga da Foz do Douro. Pretende diferenciar-se não só pela riqueza da ementa, cuja base assenta na cozinha moderna, embora com fortes influências da cozinha tradicional portuguesa, mas também pelo ambiente e decoração. A oferta gastronómica traduz-se em vários menus de degustação.

     

    Porto by night: sugestão de saída nocturna na Alta Baixa.

    A noite começa quase sempre num centenário café e pronto-restaurante com esplanada, num enclave universitário. Em redor, há vários espaços convidativos para tomar um café, beber um copo, petiscar, conversar. Se for mais tarde, também se pode subir para a pista de dança.

     

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

     

  • Dia 5: (QUARTA-FEIRA): PORTO-CIDADE DE DESTINO

    Viagem até à cidade de destino.