Equídeos Portugueses – BURROS E CAVALOS

5 dias

Este programa da Happy Portugal revela-lhe um viagem a conhecer os Equídeos Portugueses, tal como os animais Burros e Cavalos.

Percurso do Passeio

  • DIA 1: PORTO

    Chegada ao Porto.

    Conforme o horário da chegada: Até às 18h30: visita e provas nas Caves do Vinho do Porto.

    O vinho do Porto é um vinho licoroso de fama mundial, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da região demarcada do Douro, a cerca de 100 km a leste do Porto. O vinho tomou o nome do Porto, mas é na margem oposta do Douro, em Gaia, que estão instaladas as quinze caves, templos maiores deste néctar. A visita inclui provas de diferentes variedades.

    18h30 – Viagem para Bragança.

    Bragança é a capital da região de Trás-os-Montes, no Nordeste de Portugal. Pouco explorada pelo turismo, esta região remota e montanhosa oferece cenários únicos, vilas históricas, paisagens naturais e uma gastronomia riquíssima. Bragança está situada no extremo do Parque Natural de Montesinho – uma das zonas florestais mais selvagens da Europa, com uma enorme diversidade de fauna e flora.

    A partir das 20h30: Jantar no RESTAURANTE DA POUSADA DE SÃO BARTOLOMEU em Bragança.

    O RESTAURANTE DA POUSADA DE SÃO BARTOLOMEU tem vista sobre a cidade e a zona histórica. Aposta nos pratos tradicionais da região norte, não esquecendo a lista de vinhos. À noite também funciona como bar.

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

     

  • DIA 2: BRAGANÇA – GERÊS-PORTO

    9h00 – Visita guiada a Bragança.

    A localidade nasceu no século XII e o núcleo urbano medieval mantém-se na cidadela dignamente representada pela imponente Torre de Menagem do Castelo, pelo Pelourinho assente num curioso berrão lusitano, pela Igreja de Santa Maria e pela Domus Municipalis, exemplar único da arquitectura civil.

    Depois de D. Manuel ter dado Foral Novo em 1514, o desenvolvimento da cidade deveu-se à presença dos bispos que aqui residiam durante metade do ano. A acção real e episcopal memorizou esses tempos na Igreja de São Vicente, no Museu do Abade Baçal, na Capela da Misericórdia, na Igreja de Santa Clara e por fim na Sé Catedral. A história da cidade não fica completa sem a visita da secular Igreja de Castro de Avelãs, nas proximidades, ou com um passeio ao Parque Natural de Montesinho, onde ainda se encontram pequenas aldeias de regime comunitário que fazem parte do património regional.

    11h00 – Visita a uma reserva de burros mirandeses e passeio de burro.

    O burro de Miranda possui características únicas: pelagem de cor castanha escura com gradações mais claras nos costados e face inferior do tronco; pêlo comprido e grosso; orelhas grandes; cabeça volumosa; estatura elevada, superior a 1,20 m; temperamento dócil. É uma espécie em extinção e as associações locais lutam para preservá-la, promovendo actividade como os passeios, que são muito agradáveis de experimentar.

    A partir das 12h30: Almoço no restaurante O MONTANHÊS, em Macedo de Cavaleiros.

    Instalado num edifício antigo bem recuperado, aqui vamos encontrar O MONTANHÊS com uma sala ampla e agradável, decorada em estilo rústico com assinalável bom gosto. As iguarias da cozinha transmontana abundam e são confeccionadas com mão certeira.

    14h30 – Viagem para o Parque Nacional do Gerês.

    No extremo noroeste de Portugal, entre o Alto Minho e Trás-os-Montes, a Serra da Peneda e do Gerês constituem a única área protegida portuguesa classificada como Parque Nacional. É um mundo à parte em que a actividade humana se integra de forma harmoniosa na Natureza, preservando valores e tradições muito antigos bem patentes nas aldeias comunitárias de Pitões das Júnias e Tourém.

    16h00 – Avistagem dos garranos selvagens.

    São comuns os garranos, pequenos cavalos selvagens que correm livremente pelos montes. Provavelmente, também vai encontrar bovinos de raça barrosã e os cães de Castro Laboreiro, de pêlo escuro, guardando os rebanhos que ao ritmo das estações se deslocam entre as “brandas” e as “inverneiras”. Observe com atenção, pois talvez consiga avistar um corço (símbolo do Parque) ou o seu predador, o lobo ibérico.

    19h00 – Viagem para o Porto.

    O Porto é uma cidade encantadora, situada nas encostas do rio Douro já próximo da sua foz. Classificada como Património Mundial pela UNESCO graças aos seus belos monumentos e edifícios históricos, como a imponente Sé ou a Torre dos Clérigos, o Porto é a segunda maior cidade de Portugal e possui vistas soberbas sobre as mundialmente célebres Caves do Vinho do Porto.

     A partir das 20h30: Jantar no restaurante DOM TONHO.

    O D. TONHO é uma referência na arte de cozinhar na cidade do Porto. As receitas nacionais contemplam todas as regiões do país e o mesmo se aplica à carta de vinhos. Mas, como os olhos também comem, um antigo armazém de bacalhau na Ribeira foi restaurado e o interior, acolhedor, revestido a granito. E depois, as janelas panorâmicas transportam-nos para o Douro, ali mesmo em frente. Uma dupla satisfação.

    Porto by night: Galerias de Paris e Gare Club

    Há qualquer coisa viva quando a noite cai no Porto. Habituada a divertir-se por pólos, nunca a cidade viu tanta articulação entre a oferta. Os portuenses andam orgulhosos – recuperaram a noite da cidade. Descemos até ao eixo dos Clérigos, o dínamo maior da reanimada noite do Porto. Na Rua da Galeria de Paris, a mais badalada, já há vários bares. A Casa do Livro é um deles. Na rua paralela, a Cândido dos Reis, mora o Plano B desde 2006. Ali pontuam também outros bares e até lojas, como a Mezzanine ou a Take Me.

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

     

  • DIA 3: PORTO – GOLEGÃ

    09h00 – Visita guiada ao Porto.

    A cidade oferece uma síntese harmoniosa de atracções antigas e contemporâneas. Empoleirados no cimo de colinas e agarrados a falésias, os atraentes edifícios, pontes e candeeiros do Porto guardam o Rio Douro há séculos. Ferozmente orgulhosos do seu património, os cidadãos desta cidade mercantil investiram o seu sangue e o seu suor no comércio e no vinho. O Porto é uma cidade pronta para trabalhar e apta para o divertimento. Discotecas e restaurantes misturam-se com catedrais, igrejas e museus em estreitas vielas e largas avenidas. Há muitos cafés espalhados pela cidade, onde poderá descontrair depois de subir as inúmeras colinas do Porto. Nos telhados há telha vermelha e nas fachadas, muitas vezes, azulejos. A cidade do Porto é muito compacta, o que é óptimo para se fazer explorações a pé, desde que não se importe de fazer um esforço nas subidas.

    11h00 – Viagem para Alcanena.

     13h00 – Almoço no restaurante O MALHO, em Alcanena.

    O MALHO localiza-se numa pequena aldeia próximo de Alcanena. A cozinha é elaborada a partir de receitas tradicionais, com produtos frescos da região. Não deixe de experimentar a Açorda de Cherne ou o Pato Corado. O serviço é excelente.

    15h00 – Visita à reserva natural do Paúl do Boquilobo.

    Situada na confluência dos rios Tejo e Almonda, perto da Golegã, a Reserva Natural do Paúl do Boquilobo compreende uma área de cerca de 529 hectares. É a única área protegida portuguesa integrada na Rede Mundial de Reservas da Biosfera da UNESCO, com as suas zonas interiores alagadas durante praticamente todo o ano, encontrando-se cobertas por várias e importantes espécies de plantas aquáticas e caniçais. Aqui está instalada a maior colónia de garças da Península Ibérica.

    16h00 – Visita da Feira do Cavalo na Golegã.

    A localidade da Golegã fica situada numa região de solo fértil. A ligação à actividade agrícola incentivou a realização de feiras e mercados. Durante o século XVIII, as festas em honra de São Martinho, a 11 de Novembro, eram as preferidas pelos criadores de cavalos para mostrar orgulhosamente os animais de raça em concursos hípicos e competições. O evento, que foi ganhando importância gradualmente, é o antecedente da actual Feira Nacional do Cavalo, de grande relevância nacional na especialidade equestre. Ao visitar a localidade, aproveite para fazer um passeio pelo jardim romântico que rodeia o antigo estúdio de Carlos Relvas, um conhecido fotógrafo do século XIX, ou para ver o Museu Martins Correia, um escultor contemporâneo.

    18h00 – Visita à QUINTA DE SANTO ANTÓNIO. Visita a um fabricante de selas, arreios e botas.

    Visita à Quinta de Santo António, sede da Coudelaria Coimbra de Castro Canelas, com belíssimos exemplares Lusitanos e vários produtos regionais.

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

  • DIA 4: GOLEGÃ - ALTER DO CHÃO – LISBOA

    08h40Viagem para Alter do Chão.

    10h00 – Visita à COUDELARIA ALTER REAL, em Alter do Chão.

    A COUDELARIA ALTER REAL situa-se próxima da freguesia de Alter do Chão, na vasta região Alentejana. Antiga Coudelaria Real, fundada pelo rei D. João V em 1748, com vista à criação de cavalos de raça lusitana para a Picaria Real, esta foi uma das instituições mais importantes para a divulgação do nome de Alter do Chão e para a continuidade e preservação da raça equestre, expressa no desejo do rei em “Que se conserve sempre pura esta raça“.

    A Coudelaria é hoje em dia constituída por diversas valências, nos seus 300 hectares de paisagem de grande beleza, onde impera a paz de espírito. Hoje em dia aqui funciona a Escola Profissional de Agrícola de Alter do Chão, a Escola Portuguesa de Arte Equestre, um Pólo da Universidade de Évora, núcleos de investigação, de selecção e melhoramento da raça, infra-estruturas Hípicas e Desportivas, a Falcoaria, entre outras valias, como a Casa do Arneiro, um espaço reservado ao alojamento de professores e conferencistas. A Coudelaria oferece também núcleos museológicos e zoológicos de grande interesse, bem como diversas actividades pedagógicas, centradas na evolução e divulgação da preservação ambiental, patrimonial e turística. A não perder também é a “saída da éguada”, quando diariamente todas as éguas saem para a pastagem.

    13h00 – Almoço no restaurante PÁTEO REAL, em Alter do Chão.

    Restaurante que procura homenagear a gastronomia tradicional alentejana, o PÁTEO REAL conta com as melhores especialidades características da região. O serviço é eficiente e o ambiente acolhedor.

    14h30 – Viagem para a Comporta.

    A Praia da Comporta insere-se nos limites da Reserva Natural do Estuário do Sado, o que lhe permite preservar toda a sua beleza natural. Para trás, ficam os montados, pinhais e o tapete ondulante dos arrozais da Reserva – a estância de Inverno para as famílias de aves que vêm fazer os seus ninhos. As praias daqui são lindas, estendendo-se por quilómetros de areais brancos banhados por águas mansas, onde apetece descansar.

    17h30 – Passeio a Cavalo na praia.

    Este relaxante passeio a cavalo na praia da Comporta, sempre com o Oceano Atlântico presente, durante 1 hora, será por certo uma agradável experiência.

    18h30 – Viagem para Lisboa.

    A partir das 20h30: Jantar no restaurante TAVARES.

    O TAVARES é o restaurante mais emblemático de Portugal e um dos mais antigos do mundo. Situado num dos bairros com mais história e charme de Lisboa, foi durante muitos anos o ponto de encontro das grandes figuras intelectuais do país, de pessoas ilustres ou “simples” boémios esclarecidos. A cozinha, de inspiração contemporânea, aposta na qualidade dos ingredientes e no rigor da confecção. O seu chef actual é Aimé Barroyer, sucedendo ao jovem José Avillez, um fenómeno de notoriedade e sucesso.

    Lisboa by night: visita ao Bairro Alto (casa de fados).

    O Bairro Alto é um dos bairros mais paradigmáticos e atraentes para viver a cidade. Típico e popular, o Bairro Alto possui imensos rasgos de modernidade, com lojas de roupa e de design e bares, muitos bares. O encontro de pessoas, num ambiente ecléctico e multicultural, é uma das boas razões para passear pelo bairro. Calcorreá-lo, descobrir todas as ruas, as ruelas e os becos, é imprescindível.

    Nele pontuam bons restaurantes, lado a lado com livrarias intimistas; há casas de chá emparelhadas com lojas de design e de roupa, de alguns dos mais conceituados artistas portugueses. É um bairro apaixonante, cheio de atracções, combinando arrojo e sofisticação com tradição e antiguidade. Passear no Bairro Alto é um acto irrepetível em qualquer outro ponto da cidade. O fado, a canção típica lisboeta que amiúde evoca a palavra “saudade”, é uma parte importante do charme deste bairro. A verdadeira alma lisboeta reside profunda e verdadeiramente no fado. Amor, destino, tristeza e nostalgia… Sentimentos sussurrados numa forte, mas gentil, voz que nunca poderá ser explicada, apenas sentida… (O fado foi declarado Património Imaterial da Humanidade em 2011.)

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

     

  • DIA 5: LISBOA-PALÁCIO NACIONAL DE QUELUZ-CIDADE DE DESTINO

    10h00  –  Visita ao PALÁCIO DE QUELUZ.

     

    A história do Palácio Nacional de Queluz remonta aos finais do século XVI, com os marqueses de Castelo Rodrigo, mas é a partir de 1747, com o futuro D. Pedro III, que este ganhará o estatuto de palácio real, correspondendo ao seu período mais marcante, quando cumpriu a sua vocação de residência de veraneio da Família Real. Nessa época, ficou também reforçada a íntima relação dos interiores com os jardins, concebidos e entendidos como um prolongamento das salas e parte fundamental do conjunto arquitectónico.  Propriedade do Estado desde 1908, o Palácio Nacional de Queluz foi classificado como Monumento Nacional em 1910, tendo aberto ao público como Museu de Artes Decorativas em 1940.

     

    10h30 – Observação de treinos diários dos cavalos no Palácio de Queluz

     

    O treino dos cavalos consiste na preparação para as galas de arte equestre. É composto por um conjunto de quadros representativos do ambiente da Antiga Picaria Real e da evolução do ensino dos cavalos até ao mais alto nível.

     

    11h30 – Visita panorâmica à cidade de Lisboa.

     

    Lisboa é uma das mais fascinantes cidades da Europa! Com céu azul quase todo o ano e um Inverno ameno, Lisboa oferece empolgantes panoramas da cidade e do rio, um ambiente pitoresco onde eléctricos antigos nos levam das estreitas ruelas empedradas até aos excelentes novos hotéis nas largas avenidas, oportunidades de compras fabulosas de “etiqueta de criador” e uma vida nocturna fantástica. O antigo funde-se com a sofisticação do século XXI.

    Alfama e o Castelo proporcionam-lhe uma viagem histórica aos tempos árabes e medievais. Na zona do Chiado, Bairro Alto e Príncipe Real, poderá encontrar alguns dos mais modernos restaurantes e bares de Lisboa. Durante o dia, as ruas enchem-se de multidões animadas a passear pelos museus, pelas lojas, pelas galerias de arte, pelos cafés ou pelas mercearias que vendem produtos gourmet. Da Baixa até à Praça do Marquês de Pombal, há teatros, estações de comboio, esplanadas e grandes alamedas onde passear. Em Belém, situa-se o majestoso Mosteiro dos Jerónimos, a famosa Torre de Belém, o Centro Cultural e os muitos museus e jardins que os rodeiam. É imperativo provar os deliciosos Pastéis de Belém!

     

    Transfer para o aeroporto de Lisboa. Viagem até à cidade de destino.