Festas de Viana do Castelo

3 dias

A HappyPortugal através da TravelTailors  propõe-lhe uma experiência cultural única: participar numa grande festa popular portuguesa. As festas em honra de Nossa Senhora da Agonia são das mais concorridas e animadas de todo o Minho. Decorrem na terceira semana de Agosto e incluem diversos desfiles com cabeçudos, gigantones, zés-pereiras, carros alegóricos e uma diversificada escolha de trajes regionais, com destaque para os colares, brincos e pulseiras de ouro das mulheres; o fogo-de-artifício de encerramento é espectacular. Esta é considerada a romaria das romarias.

Percurso do Passeio

  • DIA 1: PORTO-VIANA DO CASTELO

    Chegada ao Porto.

    O Porto é uma cidade encantadora, situada nas encostas do rio Douro e já próximo da sua foz. Classificada como Património Mundial pela UNESCO graças aos seus belos monumentos e edifícios históricos, como a imponente Sé ou a Torre dos Clérigos, o Porto é a segunda maior cidade de Portugal e possui vistas soberbas sobre o rio e as mundialmente célebres Caves do Vinho do Porto, na margem oposta, em Vila Nova de Gaia.

    A cidade oferece uma síntese harmoniosa de atracções antigas e contemporâneas. Empoleirados no cimo de colinas e agarrados a falésias, os atraentes edifícios, pontes e candeeiros do Porto guardam o Rio Douro há séculos. Ferozmente orgulhosos do seu património, os cidadãos desta cidade mercantil investiram o seu sangue e o seu suor no comércio e no vinho. O Porto é uma cidade pronta para trabalhar e apta para o divertimento.

    Discotecas e restaurantes misturam-se com catedrais, igrejas e museus em estreitas vielas e largas avenidas. Há muitos cafés espalhados pela cidade, onde poderá descontrair depois de subir as inúmeras colinas do Porto. Nos telhados há telha vermelha e nas fachadas, muitas vezes, azulejos. A cidade do Porto é muito compacta, o que é óptimo para se fazer explorações a pé, desde que não se importe de fazer um esforço nas subidas.

    Até às 18h30: visita e provas nas Caves do Vinho do Porto.

    O vinho do Porto é um vinho licoroso de fama mundial, produzido exclusivamente a partir de uvas provenientes da região demarcada do Douro, a cerca de 100 km a leste do Porto. O vinho tomou o nome do Porto, mas é na margem oposta do Douro, em Gaia, que estão instaladas as quinze caves, templos maiores deste néctar. A visita inclui provas de diferentes variedades.

    Sugestão: passeio de Barco Rabelo no Rio Douro.

    O passeio de Barco rabelo no rio Douro, passando pelas 6 pontes, é perfeito para ter bonitas vistas da cidade e conhecer de uma maneira diferente um pouco da sua história; afinal, o rio ocupou um papel fundamental no desenvolvimento local ao longo dos séculos. Destaca-se a Ponte Maria Pia, construída em 1886 por Eiffel. O barco deixa-nos na margem de Gaia, onde se encontram várias caves de Vinho do Porto.

    Viagem para Viana do Castelo.

    Situada junto da foz do Rio Lima, a 65 km a norte do Porto, Viana do Castelo foi fundada no século XIII por Afonso III, rei de Portugal, com o nome de Viana da Foz do Lima. Dos estaleiros de Viana saíram naus e caravelas para as rotas das Índias e das Américas. Até ao século XVI, o burgo foi exclusivo do povo, não podendo instalar-se aqui a nobreza. Abrindo-lhe, por fim, as portas, Viana enriqueceu-se com palácios brasonados, igrejas e conventos, chafarizes e fontanários que constituem uma herança patrimonial notável, digna de visita. Cidade bonita, extrovertida e alegre, Viana do Castelo tem sabido conservar a riqueza das suas tradições de raiz popular.

    A partir das 20h30: sugestão de jantar em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Viana do Castelo.

    Restaurante conceituado e premiado, com excelentes especialidades minhotas, esta escolha TravelTailors oferece uma cozinha farta e bem confeccionada, justificando assim o seu elevado número de clientes. É uma boa ocasião para experimentar o Vinho Verde, que é único no mundo; naturalmente leve e fresco, com baixo teor alcoólico, e portanto menos calórico, o Vinho Verde é um vinho frutado, fácil de beber, óptimo como aperitivo ou em harmonização com refeições leves e equilibradas: saladas, peixes, mariscos ou carnes brancas.

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

  • DIA 2: VIANA DO CASTELO

    Visita ao Templo de Santa Luzia.

    O Templo de Santa Luzia está situada no alto do monte do mesmo nome, donde se vislumbra uma vista ímpar da região, que concilia o mar, o rio Lima com o seu vale, e todo o complexo montanhoso – panorama considerado um dos melhores do mundo, segundo a National Geographic. O projecto da igreja é do arquitecto Miguel Ventura Terra, com óbvia inspiração na Basílica de Sacré Cœur em Montmartre, Paris. Edificada sobre uma planta em forma de cruz grega, a sua arquitectura tem elementos neo-românicos, bizantinos e góticos.

    Sugestão: descida à cidade de funicular.

    Sugestão: visita a pé pela cidade.

    Até ao século XVI, o burgo foi exclusivo do povo, não podendo instalar-se aqui a nobreza. Abrindo-lhe, por fim, as portas, Viana enriqueceu-se com palácios brasonados, igrejas e conventos, chafarizes e fontanários que constituem uma herança patrimonial notável, digna de visita. Em 1848 a rainha D. Maria II elevou Viana a cidade com o novo nome de Viana do Castelo.

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de cozinha tradicional, em Viana do Castelo.

    Instalado num palácio, em pleno centro histórico, este é um daqueles restaurantes onde apetece estar. É confortável, a decoração acompanha a solenidade do espaço e o serviço só engrandece os bons sabores da cozinha tradicional que aqui se pratica. Com diversas inspirações marítimas, na lista vai encontrar desde a Santola Recheada à Moda de Viana, passando pelos Lavagantes, ao natural, e terminando no Robalo na Cataplana e no Arroz de Peixe à Moda do Chefe. Obrigatórios, o Bacalhau, as Papas de Sarrabulho com Rojões e o Cabrito Assado à Serra d’ Arga. Não se atreva a sair sem provar as Rabanadas, presentes na ementa ao longo de todo o ano.

    Participação nas emblemáticas Festas de Viana do Castelo.

    As festas em honra de Nossa Senhora da Agonia são das mais concorridas e animadas de todo o Minho. Decorrem na terceira semana de Agosto e incluem diversos desfiles com cabeçudos, gigantones, zés-pereiras, carros alegóricos e uma diversificada escolha de trajes regionais, com destaque para os colares, brincos e pulseiras de ouro das mulheres. Esta é considerada a romaria das romarias. O culto da Nossa Senhora da Agonia remonta ao século XVIII, a primeira referência escrita a este evento data de 1744. Tem como traço essencial a devoção das gentes do mar, que retribuem as graças recebidas aquando de tempestades ou naufrágios. Daí que o andor principal fosse tradicionalmente transportado pelos pescadores e que só a partir de 1968 se tivesse passado a realizar uma procissão fluvial, com a imagem da santa, pelo rio Lima. Além de todos estes acontecimentos, o fogo-de-artifício, lançado junto ao rio Lima, é um espectáculo único.

    Durante todo o dia haverá enumeras actividades e desfiles para deliciar a vista de qualquer um. O Cortejo Histórico e Etnográfico realiza-se na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, e os desfiles de trajes e mordomia passam pelas várias ruas da cidade. As mesmas identificam-se pelas cobertas e toalhas trabalhadas que são penduradas nas varandas dos habitantes.

    Só a partir de 1893 é que Zabumbas e Zés P’reiras, assim como os Gigantones e Cabeçudos, entram na Romaria. Figuras descomunais e grotescas, os Gigantones traem a sua origem remota e popular. Reis da Festa, animam as consagradas revistas da Romaria que se realizam todos anos, ao meio dia, no cenário da Praça da República, ao som de uma centena de bombos – e constituem o cortejo mais gárrulo e espaventoso do imaginário do Alto Minho.

    Deslumbre-se com a quantidade de ouro que é “vestida” nestes dias e que desfila pela cidade!

    Não pode deixar de provar a bola de berlim da Pastelaria Natário, conhecida como a melhor de Portugal.

    A partir das 20h00: sugestão de jantar em restaurante de cozinha tradicional, em Viana do Castelo.

    Situado frente ao Rio Lima, junto ao monumento do navegador vianense Pêro do Campo Tourinho, o restaurante está instalado numa casa solarenga e centenária, conhecida por Casa do Campo da Feira, junto à antigas instalações dos Estaleiros Navais da cidade. Tem uma decoração de acentuada inspiração medieval, que lhe confere uma beleza singular e uma sensação de bem-estar permanente. Ao longo dos anos, tem vindo a destacar-se pela excelência do serviço prestado, assim como pela sua cozinha de referência. O peixe e os mariscos frescos são pratos a não perder, nomeadamente o pescado no forno à e a açorda de lavagante com gambas. Sempre acompanhados por um bom Vinho Verde, à moda do Minho!

    Continuação de participação nas festividades.

    24h00: Fogo-de-artifício na Ponte Velha.

    Alojamento no hotel da categoria seleccionada.

  • DIA 3: VIANA DO CASTELO-PONTE DE LIMA-CIDADE DE DESTINO

    Visita aos tapetes floridos.

    Durante todo a manhã e até à passagem da Procissão ao Mar, poderemos apreciar o laborioso e dedicado trabalho das gentes da Ribeira nos tapetes floridos que se apresentam nas ruas, fruto da devoção à Senhora d’ Agonia e que durante toda a noite anterior movimentaram os seus moradores. A variedade das cores, o fofo dos tapetes floridos, a delicadeza da confecção, transformam o piso duro das ruas da Ribeira na mais bela e policroma alcatifa.

    Viagem para Ponte de Lima.

    No centro de uma região agrícola rica, onde é produzido o famoso Vinho Verde, o seu património integra um grande número de solares e casas apalaçadas. Esta vila tradicional regista quinzenalmente grande animação no areal das margens do rio, quando se realiza a feira, originária da Idade Média.

    A partir das 12h30: sugestão de almoço em restaurante de comida tradicional portuguesa, em Ponte de Lima.

    As paredes de granito desta proposta TravelTailors guardam uma cozinha de qualidade, verdadeiro templo gastronómico. Aquecem-se os sentidos com a chegada das entradas, com destaque para as pataniscas e os enchidos de Ponte de Lima. Nos dias frios, a lareira é quase inspiradora e prenunciadora de várias especialidades que fazem o deleite dos comensais. A saber, o cabrito assado no forno, o sarrabulho à minhota e o divino bacalhau com broa. A carta de vinhos, de preços sensatos e bem fornecida de verdes, enaltece a lista de iguarias, que termina com a já distinta pêra borrachona.

    Viagem até à cidade de destino.